segunda-feira, 5 de maio de 2014

Será o fim do Gesso ortopédico?

Depois de um trauma ou uma torção podemos ter que utilizar uma imobilização. Em especial nos casos em que o trauma resulta em uma fratura. 
O gesso é composto de uma bandagem que quando molhada, pode ser moldada e ao secar fica resistente. Serve para manter a posição do local machucado até que tudo esteja bem novamente.

O Designer brasileiro Pedro Nakazato Andrade projetou uma peça ortopédica de alta tecnologia que monitora a recuperação através de sensores eletromiográficos. Apelidado de Bones, o novo elemento monitora a atividade muscular em torno de uma fratura em tempo real sem fios, fornecendo os dados para um site onde os médicos podem acessar e por sua vez dar ao paciente o parecer necessário. 


Outro Designer apresentou uma nova solução que promete ser 40% mais rápida que o gesso tradicional.
Deniz Karahasin criou um conceito personalizável feito em impressora 3D com tecnologia de ultra-som  que poderia acelerar a cicatrização óssea. Para que a peça se encaixe perfeitamente, o membro afetado é digitalizado por um Scanner de corpo 3D.